Leveza na educação

Nossa pedagogia traz como característica a leveza no seu dia a dia. Essa leveza é marcada pela liberdade, prerrogativa da nossa educação, o olhar sensível com relação a cada SER e o entendimento do tempo, como possibilidade de expansão, e não como bloco de rotina que deverá ser cumprido.

Isso quer dizer que não há rotina? Sim, há, pois ela é fator de saúde na vida da criança, ela necessita dessa estrutura, porém, dentro da rotina há possibilidades de se dar tempo. Tem momentos únicos em que a criança está agindo, sendo, e esses momentos não devemos interromper, cabe a nós esperar, observar, administrar o tempo, para ela ter o seu. Podem ser momentos de descobertas, de um brincar livre e imaginativo, pode ser um momento da criança sozinha ou do grupo imerso em uma proposta. O olhar sensível do educador saberá dizer se é hora de voltar para o tempo cronológico ou se podemos continuar a usufruir dessa transcendentalidade.

Certa vez uma criança disse “vamos soltar a mariposa para ver se ela vive de novo?”. O que faz um educador diante de uma situação como essa se tudo o levava a seguir por algum cronograma previamente planejado? Vai ou não vai acompanhá-la no seu percurso?

Há nesta situação duas coisas essenciais a comentar. Primeiro, a leveza de um dia a dia depende da nossa abertura para sermos desestabilizados pelas crianças. E segundo, a leveza de um dia a dia depende da nossa capacidade de enxergar beleza no comum, ou melhor, de sentir o vibrar criador poético da criança. A criança por vezes nos convidará, dirá “vamos”, outras vezes irá sozinha, e de nós bastará presenciar, testemunhar, seja a um palmo dela, seja à distância com os olhos.

Na criança, a leveza acontece quando o pé firmou na terra, quando descobriu que a gravidade é um brinquedo e que a água troca seus fluidos, quando o fogo acende nela o mistério do viver, quando as estações anunciam começos e fins, quando o sol e a chuva lhe diz o que pode fazer, quando descobre, enfim, que os brinquedos potencializam gestos e articulações.

São doadoras de força a árvore, a pedra, o barro, o chão, o vento, são brinquedos nas mãos da criança. Como não será leve uma vida repleta de brinquedos assim?

Compartilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

Mais Artigos

Educação com segurança!

Adotamos medidas sanitárias para o retorno às atividades escolares presenciais, voltadas à prevenção e aos cuidados com a saúde de todos enquanto perdurar a Pandemia.

Conheça o nosso Protocolo de Biossegurança.